Franquias: o que você precisa saber antes de compra-la

O Consultor Bonsai, Romulo Tevah, conversou com a jornalista do portal MSN, Renata Cardoso e falou um pouco sobre franquias. Confira!

“Para abrir o próprio negócio é preciso definir sua marca, descobrir qual o seu posicionamento no mercado e lidar com todas as questões jurídicas e contábeis que envolvem a criação de uma empresa. Porém, para quem sonha em se tornar seu próprio patrão, mas ainda está inseguro para lidar com tantas demandas, abrir uma franquia pode ser uma boa opção. Dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) indicam que o setor teve um faturamento R$ 139 bilhões em 2015 – o que significa um aumento de 8,3%. Apenas no primeiro trimestre de 2016, a ABF apurou um crescimento nominal de 7,6% na receita, comparado ao mesmo período de 2015.

A grande vantagem da franquia em relação a uma empresa aberta do zero é que já há uma base construída. O modelo de negócio, o público-alvo, o posicionamento da marca, quem são os fornecedores e prestadores de e serviços e até o nome da empresa já estão definidos. “Quando se opta pelo sistema de franquias, há uma uma equipe que irá acompanhar e ajudar os franqueados. O olhar compartilhado com a franqueadora ajudará o empresário a se manter atento”, afirma Claudio Tieghi, diretor de inteligência de mercado e sustentabilidade da ABF.

Confira cinco dicas para investir em franquias:

Dica 1:

Para abrir uma franquia, é preciso apreciar o ramo de atuação do negócio, já que, mesmo com o respaldo de uma grande marca, a administração depende de seu dono, e não do franqueador. “A grande vantagem é que o empresário entra no mercado com uma marca consolidada, com credibilidade. Porém, a rotina é a mesma de quem abre uma empresa do zero. É preciso gerir pessoas, estoque, ponto de venda. E ainda ter que prestar contas para o dono da marca”, afirma Romulo Tevah, sócio-consultor da Bonsai Consultoria.

 

Dica 2: “As franquias são um bom caminho para quem não tem muita experiência, mas o franqueado não pode acreditar que o negócio irá dar certo por si só, ou que o franqueador irá entregar tudo pronto”, salienta Tevah. Para quem não tem muito conhecimento, é preciso buscar informações sobre gestão.

 

Dica 3: A responsabilidade jurídica é do franqueado, que irá abrir um Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) próprio e irá comprar a autorização para usar o nome da marca escolhida por um período de tempo em determinado lugar. Entender as regras para utilizar as marcas e os produtos da franqueadora é fundamental.

 

Dica 4: Fazer uma pesquisa com outros franqueados para entender como é a relação com o franqueador e pesquisar sobre a satisfação dos clientes são os primeiros passos. “O investidor precisa ter os pés no chão e ser técnico quanto aos números apresentados por quem quer vender uma franquia”, salienta Tevah.

 

Dica 5: “Mesmo seguindo as diretrizes, inovar é sempre possível”, afirma Tieghi. Trata-se de uma questão de atitude do franqueado, que mesmo reproduzindo o cotidiano da marca, tem um campo enorme para inovar em gestão de pessoas, estratégias comerciais, relacionamento com a comunidade, captação de novos públicos.”

 

Confirma da reportagem na página original de sua publicação: goo.gl/QqSNtu

 

Romulo Tevah é sócio fundador da Bonsai Consultoria e atua na sede de Porto Alegre/RS. Saiba mais sobre nosso profissional, clicando aqui.